sexta-feira, 10 de setembro de 2010

PUBLICAÇÃO NO PORTAL CRONÓPIOS

Balas perdidas

(POESIA) ... Na rede estou: sou caça das palavras /que me caem em cima, matando, de vez, a coisa /passiva, pasto, passagem /garrafa ao mar, missiva /não fujo, não me escondo, deixo-me atravessar ... Ana Guimarães

http://www.cronopios.com.br/site/poesia.asp?id=4732

Leiam, comentem.

7 comentários:

  1. Ana,

    sem desmerecer do que li antes, parece-me que a Ana escreve melhor. Só para dar um exemplo (podia dar mais)
    «tentarei analisar
    e o racional só faz falsificar
    o pensamento é inútil»,
    estes versos carregam uma dolorosa e paradoxal verdade.
    O que nos é pedido em forma de pensamento, muitas vezes é uma crueldade. É como se fossemos estrangeiros e exigissem que falássemos outra língua. Tanto mais quanto é de esperar que a racionalização deixe muito a desejar...
    Gostei muito
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Brilhante, Ana. Como diz outro poeta, o grande Quintana, " convivência entre o poeta e o leitor, só no silêncio da leitura a sós. A sós, os dois. Isto é, livro(no caso, seu post) e leitor. Este não quer saber de terceiros, não quer que interpretem, que cantem, que dancem um poema. O verdadeiro amador/apreciador de poemas ama em silêncio"...
    É exatamente o que acontece comigo nesse momento em que leio seus belos poemas. Estou perdidinha, sem saber o que dizer, só sentindo/apreciando o quanto de talento você tem.
    Parabéns, amiga!

    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. olá!
    tudo bom???
    muito prazer,me chamo Augusto César...
    gostei muito do seu blogger. show de bola!
    estou lhe seguindo,me siga também???
    http://osegredodosescritores.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. "Um fotógrafo-artista me disse outra vez: Veja que pingo de sol no couro de um lagarto é para nós mais importante do que o sol inteiro no corpo do mar."

    A insignificância, a futilidade e a impossibilidade preenchem toda a nossa vida.
    Preenchem com alguma beleza como faz Manoel de Barros e como faz você.
    As palavras que foram caçadas não se penduram simplesmente ao texto, elas passam por alguma bateia, que mexe, remexe, escova e dá um brilho que denuncia o ouro, lá no fundo.
    E esse é o sentido, essa é a intuição do(s) tema(s). Para disfarçar as nossas inutilidades. Estes foram dois brilhos do sol no couro do lagarto.
    Obrigado e parabéns.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Ana
    A teoria ultrapassa barreiras, pega a via da poesia e multiplica-se em faces disso que sosobra dentro.
    Ganhar espaço, caminhar pelos diversos lugares e viver o máximo possível aquilo que a vuida nos apresenta.
    Amei, parabéns
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga Ana,
    Estive a conferir tua escrita. Ouso constar aqui o mesmo que comentei por lá:
    Em realidades e palavras, nada se perde à pena de Ana Guimarães. Tocantes poemas.Parabéns!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Carlos: um comentário seu sempre me enche de alegria! Obrigada.
    Lau: genial esse trecho do Quintana citado! Fico feliz por tê-la deixado amando o meu poema em silêncio.
    Olá, Augusto César! Obrigada e seja bem-vindo!
    Ah, você acertou, meu amigo Djabal: eu escovei mesmo essas palavras! Se você me diz que apareceu um pingo de sol nesse couro de lagarto, fico realizada... pelo menos por enquanto.
    Sim, Salete, a poesia é o que resta depois dos muros da teoria! Aqueles que não conseguimos ultrapassar, só vislumbramos. Beijo.
    Tere querida: obrigada duplamente. Ausculto o real e ouço palavras. Simples e complexo assim, ao mesmo tempo. Beijos

    ResponderExcluir