sábado, 16 de maio de 2009

Primavera de 2009 na Europa - VIENA




Tudo o que favorece o estreitamento dos vínculos emocionais entre os homens deve atuar contra a guerra... Tudo o que estimula o crescimento da civilização trabalha simultaneamente contra a guerra. (Sigmund Freud)

É entrar em Viena e logo, como num passe de mágica, sentir o clima dos gloriosos séculos passados, mesmo tendo ela se modernizado a ponto de ser considerada a terceira capital européia em padrão de vida de seus habitantes. Cavalos puxando carruagens lado a lado com modernos automóveis. Tranqüilidade, distinção e elegância. O feriado prolongado (segunda-feira também, além do tradicional domingo de páscoa) talvez tenha contribuído para esvaziar a cidade e dotá-la de mais amplidão e quietude ainda em seus sempre limpos, bem conservados e arborizados espaços públicos. Music (classic) is in the air: aqui e ali se ouve Mozart, Strauss, Beethoven, o que proporciona instantes de alta distensão lírica aos passantes. Testemunhar gestos de educação, honestidade e respeito ao próximo no dia a dia faz ressurgir em nós a crença na humanidade. E bucólicos jardins convidam-nos a contrariar aquela máxima segundo a qual “turismo é agito, só louco descansa em dólar ou euro”.

Ficamos hospedados na Rennweg, num bom hotel bem próximo ao Palácio Belvedere, uma das inúmeras edificações arquitetônicas admiráveis a serem visitadas. Outras são: Schönbrunnn, comparável ao que Versailles é para Paris, com visitas guiadas aos mais de mil e quatrocentos aposentos, inclusive os da famosa Sissi, a imperatriz. Hofburg, complexo de residências imperiais, museu, escola de equitação e capela, a cintilante Burgkapele, onde assistimos a apresentação dos conhecidos Meninos Cantores de Viena. Stephansdom, a catedral da Stephan Platz, no coração do centro histórico, com exuberante telhado composto por azulejos vitrificados formando figuras, datada do século XIII. Quem não se atreve a encarar trezentos e quarenta e três degraus pode pegar o elevador da torre norte e ter uma vista privilegiada do ponto mais alto da cidade, dos mais variados ângulos. Rathaus, a prefeitura. O acender de suas luzes ao anoitecer, jantando defronte a ela, no Landtman foi um momento inesquecível. Karlskirche, a igreja barroca mais bonita de Viena, interior ricamente ornamentado. Suba por dentro até o domo, fotografe e filme bem de perto os deslumbrantes afrescos do teto. Pestsaule, monumento erguido como lembrança do fim da peste negra, em 1663. O relógio Anker, situado numa passarela ligando dois prédios. Programe-se para vê-lo ao meio-dia, quando acontece uma procissão de figuras em madeira reproduzindo nobres e religiosos da história do país.

Para quem aprecia, o Museu de História da Arte exibe um admirável acervo, o mais completo da Europa Central. Para os amantes de ópera, a Staatsoper, um dos melhores teatros do mundo. Fãs ardorosos podem conhecer onde os célebres compositores viveram, o cemitério onde foram enterrados, as estátuas dos notáveis. Quem curte parque de diversões deve ir ao Prate e dar uma volta na roda gigante Riesenrade, um dos símbolos de Viena. Já os discípulos de Freud bailam de emoção em Berggasse, 19, casa onde o psicanalista morou e trabalhou de 1891 até o início do nazismo, 1938. Seja qual for a sua preferência, mergulhe de cabeça (e coração), sem receio: todos os passeios podem ser feitos a pé, com segurança, mesmo à noite. Mas se quiser um táxi, basta chamar que em um minuto aparece um Mercedes novíssimo à sua disposição, com taxistas sempre gentis, prestativos e bem apessoados, falando um inglês fluente.

Dicas gastronômicas: A torta de chocolate Sacher, no restaurante/hotel com o mesmo nome. Não sei o que é melhor: ela ou o creme que a acompanha. O enorme schinitzel (bife de carne de vitela ou porco a milanesa) do disputado Figlmüller. O apfelstrudel do café Melange. Frutos do mar do Nordsee, embora as caudas de lagosta sejam carinhas como quê, mas distraídos, só descobrimos quando pagamos, até guardamos a nota da extravagância como recordação: 47 euros cada!

Ana Guimarães

12 comentários:

  1. "Testemunhar gestos de educação, honestidade e respeito ao próximo no dia a dia faz ressurgir em nós a crença na humanidade."

    Isso mesmo, querida Ana...assim deveria ser em todo o lado.

    1 Bj*
    Luísa

    ResponderExcluir
  2. Desde a citação: um texto de uma observadora!
    Diz Ricouer, um filósofo cujas ideas são causa efeito da psicanálise enquanto compreensão da humanidade e seus movimentos: "A rememoração da lembrança enqunto (rememoração laboriosa)pertence a um vasto conjunto de fenômenos psíquicos caracterizados pela distinção entre duas atitudes, uma delas de tensão e outra delas de relaxamento. A tensão, no caso da memória, está ligada à uma travessia de uma série de "planos de consciência" diferentes. "Desde a lembrança pura, ainda não traduzida em imagens distintas, até essa mesma lembrança atualizada em sensações nascentes e em movimentos iniciados.
    Continue minha caríssima escritora a movimentar-se motivando aos que leem teus textos e neles, e a partir deles a aventurarem-se em seus desejos de fazer as pontes necessárias para que a vida seja mais harmoniosa.

    ResponderExcluir
  3. Ana,
    Com sua crônica de viagem, Viena é ainda mais linda.
    Abraços
    Luiz Ramos

    ResponderExcluir
  4. Realmente, Ana, o trecho grifado no comentário da Luisa, foi o que mais me tocou, pensando em ficção rs afinal vivemos num país onde nem da justiça partem mais esses valores... beleza de narrativa, valeu muito a pena ler. Abraços literários... Tere Penhabe

    ResponderExcluir
  5. Tenho um amigo que visitou Viena. Veio, viu e gostou. Ficou seis meses com a torta Sacher e outras companhias. Mas o relato vivo dele não deu a mesma impressão que o seu passeio. Passeamos juntos. Obrigado. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana
    Esse seu texto nos faz viajar e conhecer um pouco de Viena. Parabéns pelo blog.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Ana,

    É extremamente prazeiroso viajar sob. o teu olhar.
    beijo

    ResponderExcluir
  8. Viena está na lista de lugares que ainda nao conheço, e preciso ir!!!!!! Depois de ler seu texto é ovio que fiquei com mais vontade.
    Bsitosss

    ResponderExcluir
  9. Queridos Amigos (agora sem maiúsculo no final, não é mesmo?): muito obrigada pela presença, pelos comentários.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Ana...li e adorei teu blog...as viagens. Estou querendo co nhecer Praga, Viena e Budapeste, além de rever algumas outras cidades. Por favor, qtos. dias vc ficou na Europa em 2009? Qtos países visitou? Foi por conta? Qto gastou? Grata pelas informações.

    ResponderExcluir
  11. Perdão, Marilu, só hoje - agora - leio seu comentário (meu blog não me avisa sobre isso*). Estive no seu blog para me desculpar e nada encontrei, de modo que fica aqui meu sincero agradecimento pela leitura do texto, sua apreciação. Pena não ter podido te responder a tempo, imagino que vc já tenha viajado. Mas se quiser, escreva para o meu e-mail: anaerguimaraes@terra.com.br
    Abraço
    Ana
    *Aliás, só estou conseguindo responder como Anônimo, vá entender! :)

    ResponderExcluir